quarta-feira, 16 de outubro de 2013

“Estamos fazendo uma revolução na área da saúde em Goiás”, disse Marconi ao inaugurar nova UTI no HGG


O governador Marconi Perillo inaugurou, na manhã de hoje, a nova Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Alberto Rassi, o Hospital Geral de Goiânia (HGG), durante visita que fez às novas instalações.  A ala antiga, que contava com 10 leitos, foi desativada e a nova, além de ter sido equipada com aparelhos mais modernos, foi ampliada para 29 leitos.“O que vemos hoje é uma demonstração inequívoca do acerto que fizemos ao optarmos pela mudança de conceito na área da administração dos hospitais, chamando as OSs para que elas pudessem nos ajudar a ter uma saúde pública de grande qualidade. A saúde pública tem de funcionar como funciona nos países de primeiro mundo. Felizmente, estamos fazendo uma revolução na saúde estadual”, disse.
Marconi HGG 1
A nova UTI custou ao Estado R$ 3,8 milhões – valor que seria utilizado na construção de dez novos leitos, mas que, em virtude da gestão adequada dos recursos, tornou-se possível ampliar a meta e construir os 29 leitos. Segundo o secretário estadual de Saúde, Antônio Faleiros, presente na inauguração, os novos leitos superam em números a recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) para o HGG. Satisfeito com a qualidade da nova UTI, o governador voltou a afirmar que a opção de o Estado transferir a gestão hospitalar para as Organizações Sociais (OSs) foi um dos maiores acertos do atual Governo.
Marconi HGG 2
Faleiros afirmou que as críticas que muitas pessoas fazem às OSs são por desconhecimento ainda. “Mas temos certeza de que isso vai mudar”, comentou. “Certeza que nós temos em Goiás, hoje, um dos melhores hospitais do Brasil. Esta UTI não perde para nenhuma UTI de hospital privado em nenhum canto do Brasil. Ela é compatível com as melhores UTI’s, como as do Hospital Albert Einstein e Hospital Sírio Libanês, em São Paulo”, disse o governador, acrescentando que ela tem o que há de mais moderno em termos de equipamentos para salvar vidas.
Marconi complementou observando que a responsabilidade na área da saúde não é só dos governos estaduais, mas também do Governo Federal e dos governos municipais. “Só que aqui em Goiás, com a participação das OSs, com o comando da Secretaria de Saúde, com a participação do Ministério Público, das entidades civis e dos servidores, estamos revolucionando o atendimento”, disse. Cumprimentou, em seguida, o secretário Faleiros e o Instituto de Desenvolvimento Tecnológico e Humano (Idetech), OS que administra o HGG, pelo trabalho de excelência que estão realizando.
O diretor geral do HGG, André Luiz Braga, elogiou a qualidade da nova UTI. “Temos equipamentos excelentes, e a possibilidade dessa internação ser feita com qualidade, eficiência e humanidade era um sonho nosso e nos deixa muito felizes”, declarou. Marconi destacou que com a construção do Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo 2), que está em andamento, a qualidade e a oferta de atendimentos somarão para que a saúde estadual melhore ainda mais.  “Vamos ter o HGG funcionando nesse padrão de primeiro mundo, o Hugo, o HDT, o Hospital de Urgências de Aparecida de Goiânia (Huapa), que agora também será administrado por OS, o de Anápolis, o de Uruaçu. Vamos começar os hospitais no Entorno de Brasília, Hospital do Sudoeste.
Com essa rede toda, vamos ter uma melhoria significativa no atendimento à saúde das pessoas. Se o município e o governo federal fizerem a mesma coisa, vamos oferecer serviços de saúde de muita qualidade”, afirmou. Informou que em dezembro o Governo deve publicar o edital de licitação para a construção do Hospital da Mulher.
Marconi HGG 3