quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Deputado do PT é acusado de forjar documentos contra tucanos em São Paulo. Ministro da justiça estaria envolvido


Simão Pedro
Simão Pedro, deputado licenciado do PT (SP), é acusado pelo PSDB de forjar documentos contra integrantes dos governos tucanos em São Paulo.
A cúpula do PSDB convocou, nesta terça-feira (26), uma entrevista coletiva em que acusou um deputado estadual licenciado do PT de forjar um documento para incriminar políticos tucanos do governo paulista. O PSDB anunciou que não aceita o rumo das investigações sobre o chamado caso Siemens. Integrantes do partido criticaram o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, por ter recebido e repassado à Policia Federal – e não à Procuradoria Geral da República – um dossiê sobre a suposto prática de cartel em licitações dos trens e do metrô, em São Paulo e no Distrito Federal. O ministro afirmou que agiu de forma correta.
O presidente do PSDB, senador Aécio Neves, criticou o ministro da Justiça no episódio da denuncia envolvendo três governos do PSDB em São Paulo. “Na nossa avaliação, da forma açodada com que agiu o ministro da Justiça e a sua omissão em determinados momentos desse episódio tiram dele, na nossa avaliação, as condições de conduzir essas investigações”, declarou Aécio.
Além de defender a demissão do ministro, o PSDB vai entrar com uma representação na Comissão de Ética Pública contra José Eduardo Cardozo e quer convocá-lo para prestar esclarecimentos na Câmara e no Senado. Entre os documentos apresentados pela direção do PSDB e que constam do inquérito da Polícia Federal sobre o suposto cartel, está a cópia de uma carta anônima em inglês datada de junho de 2008 e sua tradução para o português. Os documentos têm carimbos do departamento da Polícia Federal de São Paulo.
A carta é endereçada à direção da Siemens na Alemanha e denuncia práticas ilegais da própria Siemens no Brasil. Em vários trechos, a tradução para o português não bate com o texto original em inglês. Logo na abertura, lê-se em inglês que “autoridades brasileiras estão investigando o envolvimento de pagamento de propina a funcionários de governo”. Na versão para o português esse trecho vira “durante muitos anos a Siemens vem subornando políticos na sua maioria do PSDB e diretores da CPTM, metrô de São Paulo e metrô de Brasília”.
Em um outro trecho, em inglês, ao se referir novamente às fraudes, a carta diz: “Cada parte tinha a sua própria maneira de pagar comissões a funcionários do governo”. Em português a tradução ficou assim: “cada empresa tinha sua própria forma de pagar a propina ao pessoal do PSDB e a diretoria da CPTM”. Para o PSDB, a tradução foi feita pelo deputado licenciado Simão Pedro (PT-SP), hoje secretário de Serviços de prefeitura paulistana.
“Isso é um crime! Isso está adendo, não está no original. O original está aqui, dentro do dossiê. Esse aqui é a cópia da tradução ‘padrão Simão Pedro’”, acusa Jose Anibal, secretário de Energia de São Paulo. Simão Pedro diz que repassou o material ao Ministério da Justiça, e negou que tenha feito a tradução. Na semana passada, o jornal ‘O Estado de São Paulo’ revelou que uma outra carta, esta escrita em abril deste ano pelo ex-executivo da Siemens Ewerton Reinhemer, foi anexada ao inquérito da Polícia Federal, em que diz que existiu um forte esquema de corrupção no estado de São Paulo, durante os governos Covas, Alckmin e Serra.
Em nota, Everton diz que a carta é anônima e que a investigação corre em sigilo. A advogada de Reinhemer diz que não pode  negar ou confirmar que ele é o autor dessa carta, mas cinco fontes de órgãos públicos diferentes, ouvidas pelo Jornal Nacional, garantem que a carta-denúncia é dele. Nesta carta de 2013, Reinheimer afirma que, em 2008, enviou uma carta à direção da Siemens na Alemanha denunciando as práticas ilegais da filial brasileira.
À tarde, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, deu entrevista para responder as acusações dos tucanos. Ele confirmou que os documentos, em inglês e em português, fazem parte do material que recebeu e repassou à Policia Federal. José Eduardo Cardozo contou que, no começo de maio, o deputado licenciado Simão Pedro foi à casa dele, em São Paulo, e entregou as cartas que recebeu, sem dizer quem tinha lhe repassado os documentos. Segundo o ministro, quando ele viu os nomes citados nas cartas decidiu entregar à Polícia Federal para que a PF analisasse se valeria a pena ou não incluir no inquérito.
“Não importa quem seja, o ministro da Justiça tem o dever de solicitar a investigação, a análise da procedência para que a polícia delibere o que fazer com o material. O ministro da Justiça que não o fizer, a meu ver, prevarica”, afirma José Eduardo Cardozo. O ministro disse que não analisou os acréscimos de referência a políticos tucanos na tradução da primeira carta do funcionário da Siemens à empresa em 2008.
O diretor-geral da Polícia Federal disse que a PF não fez a tradução dos documentos que recebeu e que ainda investiga a veracidade deles. O diretor afirmou ainda que a investigação corre sob sigilo e que não há pessoas com foro privilegiado, entre os suspeitos. “Nós vamos praticar diligências para ver se existe dentro de um inquérito já existente, e nesse inquérito se algum personagem de foro privilegiado surgir indícios de envolvimento, esse inquérito aí sim será remetido para o tribunal respectivo. Ponto. No momento, nós não temos, nessa investigação, nenhum personagem de foro privilegiado sendo investigado ou sequer indícios de seus envolvimentos. Ponto”, garante Leandro Daiello, diretor-geral da Polícia Federal.


Fonte: Jornal Nacional