quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Ministro do STF suspeita de lavagem de dinheiro nas doações a condenados do Mensalão


GILMAR MENDES
A festa que petistas e mensaleiros tem feito em função da montanha de dinheiro que tem sido arrecadado em favor de condenados do Mensalão pode se transformar em dor e ranger de dentes. O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Gilmar Mendes, disse hoje que o Ministério Público precisa investigar as doações recebidas por petistas condenados no processo do mensalão para o pagamento de multas impostas no julgamento. De acordo com ele, pode estar havendo lavagem de dinheiro no sistema de arrecadação. “Agora, dado positivo, essa dinheirama, será que esse dinheiro que está voltando é de fato de militantes? Ou estão distribuindo dinheiro para fazer esse tipo de doação? Será que não há um processo de lavagem de dinheiro aqui? São coisas que nós precisamos examinar”, disse pouco antes de ingressar numa das turmas de julgamento do STF.
Condenados por corrupção no julgamento do mensalão, o ex-presidente do PT José Genoino e o ex-tesoureiro da sigla Delúbio Soares criaram páginas na internet para receber doações e conseguiram arrecadar cerca de R$ 1,7 milhão para quitar as multas que, somadas, chegaram a cerca de R$ 1,1 milhão. O restante deverá ser doado para o ex-ministro José Dirceu, que terá de pagar multa de R$ 971 mil, também relativa à sua condenação por corrupção no mensalão. Mendes disse que “há algo muito estranho” no sistema de arrecadação e alegou que os condenados estão fazendo “festa” com a multa. Algo que, para ele, deveria ser discutido pela sociedade. “Há algo de grave nisso. E precisa ser investigado. E essa gente, eles não são criminosos políticos, não é gente que lutava por um ideal e está sendo condenado por isso. São políticos presos por corrupção (…) são coisas que precisam ser refletidas. A sociedade precisa discutir isso”, disse.
Após levantar suspeitas sobre as doações, Mendes também disse que algumas peças deveriam ser unidas para se tentar desvendar o quadro pós julgamento do mensalão. Ele destacou o episódio do emprego oferecido a Dirceu por um hotel de Brasília cuja empresa tinha sede no Panamá. “Se a gente olha, coleta de dinheiro, esse tipo de manifestação, serviço num hotel que pertence a alguém no Panamá por R$ 20 mil, se a gente soma tudo isso há algo mais no ar do que avião de carreira. Está estranhíssimo (…) Ele era também dono do hotel? Era empregado e empregador? Veja quanta coisa está sendo colocada.”