terça-feira, 25 de março de 2014

Marconi Perillo investe alto em segurança e coloca mais 800 policiais nas ruas

O governo de Goiás continua investindo alto em segurança pública colocando mais e mais policiais nas ruas

Marconi mais polícia
O Governo Marconi Perillo está investindo na formação e qualificação de seuspoliciais militares. Só no primeiro trimestre deste ano, foram entregues à sociedade 1,3 mil policiais militares, outros 1,1 mil já estão participando de curso na Academia de Polícia Militar e 600 estão participando de concurso. Nesta segunda-feira aconteceu a formatura de 800 policiais do Serviço de Interesse Militar Voluntário Estadual (Simve), durante solenidade no Centro Cultural Oscar Niemeyer, em Goiânia.
 O incremento no efetivo já resultou na redução do número de roubos a estabelecimentos comerciais na capital. Segundo dados da Gerência de Análise de Informações da Secretaria da Segurança Pública de Goiás (SSPGO), a redução foi de aproximadamente 33% em fevereiro quando a referência é janeiro. Em relação a fevereiro de 2013, a queda é de 32%.  No acumulado do ano, também houve diminuição no comparativo com o mesmo período de 2013. Nesse caso, o número de registros foi de 15,2%, que coincide com a diminuição de homicídios registrados em fevereiro do corrente ano, que foi de 36 casos, o menor número de assassinatos nos últimos 18 meses.
Reafirmando o compromisso de agregar à polícia goiana seis mil novos policiais até o final deste ano, o governador Marconi Perillo ao participar da solenidade de formatura de 800 policiais da 2ª turma do Serviço de Interesse Militar Voluntário Estadual (SIMVE), voltou a criticar a fragilidade da legislação, que impede a conclusão eficaz do trabalho da polícia, e discutiu a necessidade de inserir nas fronteiras do País um grande contingente do Exército, Marinha e Aeronáutica para vigiá-las e impedir a entrada de drogas. “Mesmo com todos esses entraves, confio muito em vocês”, disse aos formandos, e pediu: “Dêem tudo de si, todo o idealismo e juventude para defender o cidadão de bem e por na cadeia o cidadão que não está comprometido com a legalidade”.


Mais polícia