terça-feira, 11 de março de 2014

O Futebol Brasileiro Faliu, a Imprensa Esportiva Também. Só os Cartolas Enriqueceram

O Futebol Brasileiro Faliu, a Imprensa Esportiva Também. Só os Cartolas Enriqueceram

O futebol brasileiro faliu. Isto não é uma suposição, mas sim uma constatação. Faliu por culpa de todos. Os clubes "mais ricos" são os mais endividados. Divida está que cresce ano após ano. Quanto mais os clubes se endividam, mais se aproximam dos cofres públicos e consequentemente do bolso do pobre povo brasileiro pagador de impostos. As dividas dos 12 maiores clubes do pais ultrapassaram a marca de 4 bilhões de reais em 2013. 

Não temos apenas clubes endividados, a imprensa esportiva também está literalmente quebrada. Todo dia fecha um equipe esportiva. Isso porque com o futebol em baixa e inflacionado, os patrocinios já não cobre as despesas.   Diferente dos clubes,  que vêem as dividas aumentarem sem perspectiva de pagar, estão fechando as portas. 

 O futebol apresentado é cada dia de pior qualidade e com isso os estádios estão cada dia mais vazios. Na semana passada o Flamengo, time de maior torcida do Brasil, jogou no novo Maracanã para um público de apenas 400 torcedores. Pelo campeonato goiano o clássico entre Goiás e Atlético no Serra Dourada não levou nem 5 mil torcedores ao estádio.

Aquele tempo onde os estádios lotavam em clássicos regionais e os craques desfilavam em campo faz parte da história e esse tempo não volta mais.

A elitização, apontada por dirigentes como sendo necessária, foi a principal responsável pela morte do futebol da forma como ele era.  Os campeonatos regionais são defuntos insepultos, mesmo assim são mantidos nos calendários para gerar dinheiro para os cartolas. Ninguém mais ganha dinheiro com os campeonatos regionais. Se os campeonatos regionais disputados da forma que são hoje são deficitários, então qual a razão lógica para continuar com algo que dá prejuízo?

O caminho para tentar ressucitar o futebol brasileiro é preciso fazer mudanças profundas na estrutura do futebol. Medidas paliativas, que por sinal são especialidades dos cartolas, não vão funcionar. 

Como a elitização acabou com futebol, vamos buscar o caminho inverso, o caminho da  democratização do futebol. Os campeonatos regionais não devem acabar, pelo contrario, devem ser disputados por um número maior de clube e não apenas em 3 meses, mas sim ao longo de um ano inteiro. Por exemplo, cada estado faz um campeonato regional reunindo os clubes da primeira e segunda divisão em uma única competição ao longo de pelo menos 8 meses. 

Nestes campeonatos coloca-se regras para utilização de 70% dos jogadores de cada time com idade máxima de 23 anos.

Os clubes que participam dos campeonatos brasileiros da 1ª, 2ª e 3ª divisão não participam dos campeonatos regionais.

Como diz o ditado, errar é humano, permitir no erro é burrice. Pelo visto tem muito humano que adora ser burro!



Fonte: Blog do Cleuber Carlos