segunda-feira, 14 de abril de 2014

Guerra no PMDB: presidente Valdir Raupp sugere que Iris Rezende mentiu na cúpula nacional

Guerra no PMDB: presidente Valdir Raupp sugere que Iris Rezende mentiu na cúpula nacional




Dona Iris sai em defesa do marido, mas não convence muito

Iris Rezende conseguiu o que queria e agora não sai dos noticiários. O cacique peemedebista se transformou na pedra na botina de Júnior Friboi. E a rusga entre os dois é notícia na imprensa nacional. O jornal Valor Econômico, em reportagem de Andrea Jubé, informa que a cúpula nacional do PMDB ficou surpresa com o anúncio da candidatura do ex-governador.
Veja a manchete do Jornal Valor Econômico escancarando a briga no PMDB de Goiás!
Valor Econômico
Michel Temer e Valdir Raupp não esperavam este contragolpe do “cacique” (como o jornal o qualifica) peemedebista e agora veem o partido em Goiás às bicas de realizar prévias, algo que nunca aconteceu. A reportagem do Valor ouviu um aliado de Júnior Friboi que preferiu não se identificar. O entrevistado disse que o PMDB Nacional cansou de perder em Goiás e agora “apostou todas as fichas na filiação de Júnior Friboi”. O empresário tem apoio dos deputados estaduais e federais, menos Dona Iris(mulher de Iris). Aliados de Júnior asseguram que a maioria dos prefeitos partido também está com ele. E dão como certa a vitória nas prévias.
Em entrevista ao Programa Paulo Beringhs, o presidente nacional do PMDB, Valdir Raupp, sugere que Iris mentiu, pois afirmara que não seria candidato este ano. “O governador Iris afirmava, categoricamente, que não seria candidato. Se, desde o início, o doutor Iris tivesse dito que seria candidato a governador, o Júnior não teria vindo para o PMDB”. 
Dona Iris já reagiu no Twitter. ”Estive analisando o vídeo do Raup. A nossa ultima conversa em BSB (Brasília) no almoço com Michel, Renan, Henrique Alves não foi bem assim.” “ Depois do almoço àquela época, mesmo assediada pela imprensa, por uma questão ética preferi me calar. Ja ouviram falar em trombone? Pois é.” E arrematou: “Até porque como vice-presidente nacional do PMDB tenho direito a voz e a voto”. Não há mais como esconder a fissura no PMDB. A guerra promete novas batalhas. (Com informações do Goiás247)