quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Armas, tráfico e motel: 11 confusões extracampo de Adriano



adrianoreproducao
Tentando reviver a carreira na França, onde está prestes a assinar contrato com o Le Havre, da segunda divisão, o centroavante Adriano viu seu nome mais uma vez envolvido em polêmicas extracampo nesta semana. Na última terça-feira, o ministério público do Rio de Janeiro denunciou o jogador por tráfico de drogas e associação ao tráfico, crimes que, combinados, podem render pena de até 25 anos de reclusão.
O atacante entrou na mira do MP por ter comprado uma moto que foi usada por traficantes da Vila Cruzeiro, no Rio, local de nascimento dele. Esta, é claro, passa longe de ser a única confusão fora das quatro linhas na carreira de Adriano. Deixando de fora os problemas que já teve diretamente ligados ao futebol – como atrasos, excesso de peso e rebeldia com treinadores -, relembre outros 10 episódios em que o Imperador recebeu críticas por seu comportamento.
2006 – Festas e moto sem capacete
Após a participação ruim na Copa do Mundo de 2006 com a Seleção, a carreira de Adriano já estava começando a afundar – processo que começou com a morte do pai do jogador, em 2004. No segundo semestre de 2006, em péssimo momento na Inter de Milão, ele foi liberado para passar alguns dias no Rio de Janeiro, mas foi flagrado andando de moto sem capacete e vazaram fotos do atacante em festas com mulheres, bebidas e cigarros.
2007 – Acidente de carro
No fim do ano de 2007, quando sequer foi inscrito pela Inter de Milão na Liga dos Campeões, Adriano se envolveu em mais uma confusão extracampo: um acidente de carro com outros três veículos na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Não houve feridos graves, e a questão foi resolvida sem maiores transtornos.
2009 – Sumiço e “aposentadoria”
Imerso em problemas disciplinares e cada vez mais assíduo em baladas, Adriano causou comoção ao abandonar a Inter de Milão em 2009 e sumir por três dias. Cogitou-se até que o atleta estivesse morto. Ele surpreendeu pouco depois ao anunciar aposentadoria do futebol, aos 27 anos. Mas um mês depois, assinou contrato com o Flamengo.
2009 – A queimadura no pé
Na reta final do Campeonato Brasileiro de 2009, Adriano desfalcou o Flamengo, que brigava pelo título, por uma bolha causada por uma queimadura no pé. O ferimento teria sido provocado pelo escapamento de uma moto, mas o jogador alegou que encostou em uma lâmpada acesa em sua casa. Mesmo assim, o Flamengo foi campeão e Adriano foi artilheiro e craque do campeonato.
2010 – O “barraco” no baile funk
Após o título nacional em 2009, o ano seguinte foi cheio de polêmica para Adriano no Flamengo. No início da temporada, ele foi a um baile funk em uma favela carioca com companheiros de clube e teve que lidar com um “barraco” armado por sua então noiva, Joana Machado, que apareceu descontrolada e atirou até pedras contra os carros dos jogadores. Apareceu até uma versão em que Adriano teria amarrado Joana em uma árvore como “punição”.
2010 – Foto com armas e ligação com o tráfico
Os primeiros episódios ligando Adriano ao tráfico de drogas aconteceram em 2010. Ele teve que prestar depoimento à polícia sobre uma quantia de R$ 60 mil passada por ele ao traficante FB – o jogador alegou que a transação aconteceu com seu cartão de crédito, mas sem sua autorização. O centroavante também apareceu em fotos fazendo um símbolo de uma facção criminosa e portando um fuzil, mas alegou que a arma não era verdadeira.
Adriano já prestou depoimento à polícia em 2010 por suposto envolvimento com o tráfico de drogas Foto: Carlos Moraes / O Dia
Adriano já prestou depoimento à polícia em 2010 por suposto envolvimento com o tráfico de drogas
Foto: Carlos Moraes / O Dia

2011 – Apreendido em blitz da Lei Seca
Em 2011, já defendendo a Roma, ele foi apreendido em uma blitz da Lei Seca no Rio de Janeiro, aparentando estar embriagado. O jogador se recusou a fazer o teste do bafômetro e pagou uma multa de R$ 957.
2011 – Tiro na mão de estudante
Na véspera do Natal de 2011, quando tinha contrato com o Corinthians, Adriano se envolveu em mais uma confusão quando uma estudante foi baleada na mão dentro de um carro. O jogador estava no veículo e teria sido ele o responsável pelo disparo acidental da arma de fogo. O caso foi resolvido com uma indenização paga por Adriano.
2014 – Show da Anitta
Após a eliminação do Atlético-PR na Libertadores de 2014, Adriano mais uma vez foi protagonista de uma polêmica: ao invés de se reapresentar ao clube paranaense, foi a um show da funkeira Anitta no Rio de Janeiro e perdeu duas sessões de treino. Já cansado das indisciplinas do atacante, o clube rescindiu o contrato.
2014 – Festa no motel
O último episódio conturbado aconteceu em agosto de 2014, quando o atacante, sem clube, promoveu uma festa particular em um motel do Rio de Janeiro, com muitos convidados. Houve reclamações dos vizinhos e relatos de engarrafamento na entrada do local.
Adriano foi a show de Anitta quando deveria ter se reapresentado ao Atlético-PR em abril Foto: Naideron Jr / AgNews
Adriano foi a show de Anitta quando deveria ter se reapresentado ao Atlético-PR em abril
Foto: Naideron Jr / AgNews