domingo, 25 de janeiro de 2015

“Roqueiro acha que pega mal curtir sertanejo”, diz Dinho


dinho-ouro-pretocapital-inicialagnews
Tocando pela nona vez no Festival de Verão de Salvador e sendo a única banda de rock a conquistar esse recorde, Capital Inicial abriu na última quinta-feira (22) a 17 edição do evento pedindo reconhecimento de novos grupos do gênero musical. O vocalista Dinho Ouro Preto disse aoTerra que o rock está “desunido, diferentemente do sertanejo”, e que isso é um “tiro no pé”.
Em tom de desabafo, Dinho falou que “os roqueiros tendem a ser mais sectários” e que “sentem vergonha de falar que curtem outros ritmos”. “Eles só ouvem rock e não querem saber dos outros estilos, acha que pega mal se associar ao sertanejo ou outros ritmos. O rock é sectário dentro do próprio rock. O cara que toca metal não gosta do cara do hard rock. Não têm esse espírito de cooperação que você dentro da música sertaneja. É surreal”, disse.
Dinho engrandeceu ainda a forma como os sertanejos defendem o gênero e conseguem se transformar durante os anos. Para o cantor, é necessário dar abertura a bandas de rock que ainda não são conhecidas no mercado da música.
“Os próprios sertanejos bombados puxam os mais novos e fazem a renovação. O que passa batido pelos roqueiros é o fato que você mede a saúde do gênero com sangue novo. Quer saber se o rock está bem? Não é levar o disco do Capital porque nós temos o nosso público. Já estamos estabelecidos”, afirmou ele, que acredita ainda que é difícil para um roqueiro assumir que outra banda faz sucesso.
O exemplo disso é o recorde batido pela banda Malta, atração do último dia do festival neste sábado (24), pelo disco mais vendido do Brasil nos meses de setembro e outubro de 2014. As infomações são ABPD (Associação Brasileira dos Produtores de Discos) e da Nielsen.
“Vemos que no “Super Star” quem ganhou foi uma banda de rock, a Malta. Entende que ainda tem público? Claro que é um pop rock, mas foi o disco brasileiro mais vendido e ninguém do rock enalteceu isso”, finalizou ele. Já os outro integrantes do Capital Inicial propõem que isso seja mudado a partir da união dos roqueiros em apresentações. “Podemos fazer como o Rappa, fechamos um show e convidamos outras bandas mais novas”, disse o baterista Fê Lemos.