quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Roubalheira na Petrobras: homem que carregava malas de dinheiro abre o bico



Corrupção

Mais um dos propineiros da Petrobras resolve colaborar com a justiça

O engenheiro Shinko Nakandakari, apontado como carregador de malas de dinheiro para o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, começou a ser ouvido pela força-tarefa da Operação Lava Jato. Ele é o primeiro dos 11 operadores de propina, alvos da nona fase das investigações que apuram corrupção em contratos da estatal – batizada de My Way -, que decidiu colaborar com a Justiça.
Segundo o ex-gerente de Engenharia Pedro Barusco – que era braço direito de Duque na Petrobras -, Nakandakari era um dos “operadores” de propina que atuava na Diretoria de Serviços – reduto do PT na estatal. “Shinko entregava pessoalmente o dinheiro em euros, reais ou dólares, sempre na quantia correspondente a aproximadamente R$ 100 mil, normalmente nos hotéis Everest, Sofitel e Ceasar Park, onde ‘tomavam um drink ou jantavam'”, descreveu Barusco. O termo de delação de Nakandakari está em fase de negociações.  
Fonte: IstoÉ