quinta-feira, 30 de abril de 2015

Caso Valério Luiz: acusados do assassinato vão a juri popular. Leia agora!



Em sessão realizada nesta quinta-feira (30), o juiz substituto em segundo grau Sival Guerra Pires, que havia pedido vista dos autos do processo que pedia a impronúncia dos acusados do homicídio do cronista Valério Luiz, seguiu voto do relator do processo, desembargador Ivo Favaro, para manter a decisão que mandou os envolvidos a júri popular. Dessa maneira a decisão foi mantida por unanimidade, já que na terça-feira (28) o juiz substituo em segundo grau Jairo Ferreira Júnior já havia seguido o voto do relator.
Em primeiro grau, foram pronunciados o tabelião Maurício Sampaio, os policiais militares Ademá Figueredo Aguiar Filho e Djalma Gomes da Silva, o motorista Urbano de Carvalho Malta e o açougueiro Marcus Vinícius Pereira Xavier.
O juiz Lourival Machado da Costa pronunciou os cinco acusados de participar do assassinato de Valério Luiz no dia 13 de agosto de 2014. O crime ocorreu no dia 5 de julho de 2012. O magistrado observou que “muito embora a tese da defesa seja uníssona quanto a negativa de autoria, cumprindo à acusação o ônus da prova, os elementos constantes nos autos não se mostram aptos para impronunciar os acusados”.
Ademá Figueredo e Maurício Sampaio foram pronunciados por homicídio qualificado, mediante pagamento ou promessa de recompensa, agravado por ter sido feito com emboscada e recurso que torna difícil ou impossível a defesa da vítima (artigo 121, § 2º, incisos I e IV do Código Penal). Os demais devem responder por coautoria do assassinato.
O caso
Valério Luiz, de 49 anos, foi morto por volta das 14 horas do dia 5 de julho de 2012, no momento em que deixava seu trabalho na Rádio Jornal (820 AM), no Setor Serrinha, em Goiânia. Segundo informações da Polícia Militar, uma moto se aproximou do carro em que o radialista estava e disparou seis tiros contra ele. O autor dos disparos seria Ademá, supostamente a mando de Maurício Sampaio.
Consta dos autos que a vítima proferia duras críticas ao time de futebol Atlético, cujo vice-presidente era Sampaio. O cartorário teria, inclusive, oferecido dinheiro à emissora de TV em que Valério tinha um programa, para afastá-lo.
Segundo a pronúncia, Ademá e Djalma faziam a segurança pessoal de Sampaio. O autor dos disparos teria pego a moto, a arma e o capacete emprestados de Marcus, enquanto Urbano estaria vigiando a vítima nas proximidades da rádio. (Texto: Daniel Paiva – estagiário do Centro de Comunicação Social do TJGO - e Lilian Cury)
Valério Luiz Filho comenta a decisão do TJ-GO
O advogado Valério Luiz Filho que luta por justiça no caso do assassinato de seu pai, Valério Luiz, comentou via redes sociais a decisão de hoje que confirmou a decisão de mandar a juri popular as cinco pessoas acusadas de participação no crime bárbaro:
"Ano passado, em agosto, Maurício Sampaio e os demais réus foram mandados a Júri Popular. Como era esperado, recorreram da decisão para o Tribunal de Justiça. Hoje, o Tribunal negou os recursos, afirmando que existem sim elementos suficientes no processo para mandar todos a Júri, assim como o Juiz de primeiro grau havia decidido. Podem tentar em Brasília agora, mas estou certo que em poucos meses o julgamento ocorrerá."