sábado, 11 de abril de 2015

Em carta, assassino do cartunista Glauco diz que é ‘171’ e quer aparecer na TV



mi_6170100316302342
AE – Em laudos de insanidade e psicológico, ainda parcialmente sigilosos, a Junta Médica do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO)considerou imputável Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, o Cadu, assassino do cartunista Glauco Villas Boas e do filho dele, Raoni, em 2010. Isso significa que ele pode responder na Justiça pelos seus atos. A informação é do Ministério Público de Goiás.
Uma das provas de que o rapaz, que estudava Psicologia até ser preso por novos crimes, teria plena consciência de seus atos é um bilhete em que Cadu afirma a outro preso: “Eu vou dar munição para o promotor. Que esse papo de loko (sic) é tudo 171 (estelionatário, enganador)”. Em outro trecho ele afirma: “Eu sou é bandido”.
A carta que revelaria a manipulação do rapaz foi interceptada noNúcleo de Custódia. Ele foi para uma cela no núcleo depois de ter passado vários meses em casa, sob internação domiciliar para tratamento psiquiátrico pelo assassinato de Glauco e Raoni, e ser preso por outros crimes, mais recentes, em Goiânia, segundo o MP.Cadu é acusado de assassinar o agente penitenciário Marcos Vinícius Lemes da Abadia, de 45 anos, e o estudante de Direito Mateus Pinheiro de Morais, de 21, para roubar os carros das vítimas a serviço de uma quadrilha.
Cadu sinaliza no bilhete que confia no colega de cela e escreve: “Eu preciso que você enrole até o máximo do máximo de tempo. Me mantenha na mídia. Vende entrevista p/ TV e revista. Irmão, nasci p/ ser estrela e não medalha. Vive pra testemunhar. Família até o fim!!!”
Desde o início do processo o promotor de Justiça Fernando Braga Viggiano defende que Cadu tem plena lucidez de suas ações. Conforme divulgado pelo MP nesta quinta-feira, 9, tanto o laudo de insanidade mental, elaborado por dois psiquiatras, quanto o exame pericial psicológico, feito por três psicólogos, atestaram que o réu tem plena capacidade de entendimento.
A opinião difere de laudo emitido por equipe médica de São Paulo,onde Cadu confessou as mortes, e onde foi considerado inimputável por ser portador de esquizofrenia paranoide. O laudo havia sido solicitado pela defesa de Cadu, com a qual a reportagem não conseguiu contato. Após ser apreciado pela defesa ele será analisado pelo juízo da 5ª Vara Criminal de Goiânia, onde tramita a ação penal proposta pelo MP-GO.
O promotor destacou que Cadu não somente admitiu que praticou os dois latrocínios em Goiânia, como manifestou que tinha prazer em cometer os crimes. Segundo ele, Cadu tinha tanta consciência de seus atos que reconheceu ser usuário de drogas e cocaína, mas em confissão disse que nos dias em que praticava os crimes evitava se drogar para ter controle da situação.