segunda-feira, 6 de abril de 2015

Turquia bloqueia redes sociais por fotos de promotor morto

turquiarefemtwitter03

AFP – A Turquia bloqueou nesta segunda-feira o acesso ao Twitter, Facebook e Youtube para impedir a divulgação de fotos de um promotor sequestrado na semana passada por militantes de extrema-esquerda, que acabou morto durante a tentativa de resgate, informa a imprensa.
Uma mensagem da Autoridade Administrativa de Telecomunicações disponibilizada no YouTube indica que a proibição foi determinada como “medida administrativa”. Este é o primeiro bloqueio desta magnitude desde o que foi decretado há um ano para impedir a divulgação de acusações de corrupção contra o governo.
De acordo com o site do jornal Hurriyet, a medida foi adotada depois que uma decisão da Justiça ordenou o bloqueio de 166 sites que haviam divulgado a foto do promotor, incluindo FacebookTwitter eYouTube.
O promotor Mehmet Selim Kiraz foi sequestrado em 31 de março e mantido como refém durante mais de seis horas por dois militantes armados de um grupo de extrema-esquerda turco, que publicou a fotografia do magistrado nas redes sociais com uma pistola na têmpora. O promotor e os dois sequestradores morreram durante uma intervenção da polícia.
No dia seguinte, a justiça turca abriu uma investigação contra quatro jornais turcos acusados de terem publicado a fotografia.
Há um ano, o governo turco aprovou várias medidas polêmicas para tentar controlar a internet e as redes sociais, apontadas como culpadas de divulgar as acusações de corrupção contra o presidente Recep Tayyip Erdogan e vários membros de sua equipe. Em março de 2014,Erdogan ordenou o bloqueio momentâneo de Facebook e Twitter.
Parlamento turco votou no mês passado um dispositivo que autoriza o governo a bloquear um site sem a permissão da justiça, uma medida que, no entanto, foi censurada pelo Tribunal Constitucional ano passado.