segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

‘Não podemos nos dar o direito de parar o País’, afirma Dilma sobre recesso parlamentar


AE – A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta segunda-feira, 7, que pessoalmente é a favor da suspensão do recesso parlamentar para que seu processo de impeachment seja apreciado o mais rápido possível e para não agravar ainda mais as crises política e econômica. “Numa situação de crise, acho que seria importante que o Congresso fosse convocado”, afirmou, após reunião com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e um grupo de juristas para acertar detalhes de sua defesa. “Eu não só prefiro que não haja recesso, como acho que não deve haver recesso porque vivemos um momento que não podemos nos dar direito de parar o País até o dia 2 de fevereiro”.
Dilma disse que vai conversar com o presidente do Senado, Renan Calheiros, para tentar viabilizar a convocação extraordinária do Congresso. Na semana passada, a presidente já recebeu o peemedebista para tratar do tema. Enquanto parte da oposição prefere manter o recesso, previsto para o terço final de dezembro e o mês inteiro de janeiro, em uma aposta de aumento do desgaste de Dilma, o Planalto quer que o processo seja analisado o quanto antes, por acreditar ter votos suficientes para barrar o impeachment na Câmara.
A convocação extraordinária pode ser feita pela presidente da República, por Renan, pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ou por requerimento da maioria dos integrantes de ambas as Casas para tratar “em caso de urgência ou interesse público relevante”. Para tanto, o pedido tem de ser aprovado pela maioria absoluta dos deputados e dos senadores.
Dilma disse que “é justo e legítimo um período das festas”, mas que o Congresso deve retomar as suas atividades o quanto antes para julgar todas as pendências. “Acho importante que as coisas se deem o mais rápido possível, dentro da legalidade”, destacou. Segundo a presidente, os parlamentares não teriam as festas de fim de ano prejudicadas e o Congresso poderia voltar a funcionar logo após as festas.
Questionada se a convocação extraordinária também deveria convocar sessões no Conselho de Ética, que analisa o processo de quebra de decoro de Cunha, a presidente afirmou que deve ser retomado “tudo que está pendente”. “A Constituição é clara: o Congresso tem de avaliar aquilo para qual ele é convocado. Acredito que tem ser tudo que está pendente”, afirmou, destacando que é possível que haja acordo para ver o que exatamente será colocado em uma eventual convocação.