quinta-feira, 28 de abril de 2016

Tecnologia de ponta: HUGO inaugura leitos de UTI de última geração

Tecnologia de ponta: HUGO inaugura leitos de UTI de última geração

UTI do HUGO, ao estilo do Albert Einstein de São Paulo, está entre as mais modernas do Brasil

Camas elétricas, televisões de LED, respiradores e monitores de última geração. Estes são alguns dos equipamentos que compõem os novos leitos de terapia intensiva do Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), que foram reformulados e entregues nesta terça-feira, 26 de abril. A infraestrutura moderna aliada a uma logística otimizada de atendimento garantirão aos usuários da unidade de saúde uma assistência diferenciada, semelhante à prestada pelos melhores e mais modernos hospitais particulares do Brasil, a exemplo do Sírio-Libanês e do Israelita Albert Einstein, ambos localizados na capital paulista. O Hugo conta atualmente com 59 leitos de UTI. Deste total, 20 foram completamente reformulados. O objetivo dos gestores é até o final deste ano reformar os outros 39 leitos.
Os internos da UTI contarão com um espaço mais humanizado, menos artificial e mais confortável. Entre os diferenciais, todos os 20 leitos reformados contam com pontos de hemodiálise, camas elétricas, televisões de LED com programação convencional e som direcionado e individualizado por cama. Os fones de ouvido são descartados e trocados na hora a alta médica. As janelas de blindex proporcionarão o contato dos pacientes com a luz do dia, o que auxilia na recuperação. Os leitos também são separados entre si por cortinas, o que garante mais privacidade ao paciente na hora do banho e de determinados procedimentos.
As camas elétricas contam com vários níveis de posicionamento, inclusive de poltrona, o que previne a broncoaspiração e auxilia na reabilitação de pacientes críticos. Cada cinco leitos contam com um carro de parada cardiorrespiratória, também conhecido como carrinho de emergência. O equipamento contém os itens – a exemplo de desfibrilador, catéteres, monitores, drogas cardíacas, agulhas, soros, sondas, luvas estéreis, máscaras e óculos de proteção – usados pela equipe multiprofissional quando acontece uma parada cardíaca, pois é uma situação que exige procedimentos de extrema agilidade e eficácia, por se tratar de um evento que pode levar à morte.
Os equipamentos técnicos são mais modernos que existem no mercado para monitorização cardíaca e hemodinâmica. Os ventiladores para a respiração mecânica dispõem de módulos não invasivos, que proporcionam um suporte ventilatório sem a necessidade da entubação – procedimento de colocação de uma prótese na traqueia do paciente para auxiliar na respiração.
Dos 20 leitos, dois são destinados a pacientes que necessitam de isolamento, tanto o de contato como o respiratório, o que previne a transmissibilidade de agentes multirresistentes, a exemplo da H1N1, gripe A, tuberculose e bactérias como klebisiella multiresistente, responsável por várias mortes no território brasileiro. Estes leitos possuem anticâmaras, destinadas a evitar que haja a contaminação do ar do isolamento com o ar da UTI; além de banheiros exclusivos, como preconiza as normativas nacionais.
A UTI oferece ainda quatro leitos conforto separados por blindex, que contam com poltrona destinada a acompanhantes, em casos que requerem este acompanhamento para uma melhor recuperação do paciente grave. Para completar, a unidade dispõe de duas centrais de monitoramento dos pacientes que permitem o acompanhamento simultâneo de todos leitos pela equipe, dentro da estação de trabalho situada no centro do ambiente.
O bem-estar e o conforto do funcionário também foram privilegiados. A UTI dispõe de quartos separados por sexo e com armários individuais para guardar pertences; banheiros individuais feminino e masculino; ampla copa com pias, geladeiras, micro-ondas, mesas, cadeiras. Ainda, salas para os coordenadores da UTI, que são dois médicos titulados em terapia intensiva, e uma enfermeira especialista na área. As camas elétricas facilitam a movimentação dos pacientes no leito com menor esforço físico e maior comodidade para o colaborador.
O titular da Secretaria de Estado da Saúde, Leonardo Vilela, que visitou as instalações, lembrou que a estrutura da UTI existia há 25 anos e nunca tinha passado por melhorias. “Com esta reforma a população de Goiás poderá ser assistida na rede pública com padrão de qualidade internacional”, afirmou. “Esta reforma, como as outras benfeitorias que vem sendo realizadas no Hugo, comprova que a população pode ter uma assistência de qualidade em hospital público”, pontua o médico Ciro Ricardo Pires de Castro, diretor Geral do Hugo.
“Para mim esta UTI é um marco na história do Hugo e do atendimento a pacientes críticos, politraumatizado de Goiás. Isso representa um avanço importante na terapia intensiva realizada no Estado, colocando esta prática no nível dos grandes e melhores hospitais particulares do Brasil”, comemora o médico intensivista Alexandre Amaral, coordenador da UTI.
Com MaisGoiás conteúdo