terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

CPI DO DÉFICIT: O TERROR DE JORCELINO BRAGA

O amadorismo na política é imperdoável. Fazer política é para quem tem a arte de realizar e pensar ao mesmo tempo. Muitos tentam, todavia, apenas uns poucos conseguem sucesso de verdade na política. Sucesso de verdade na política é a arte de conquistar mandatos e também a arte de liderar grandes homens e mulheres que são por sua vez também grandes líderes. Liderar massa é uma coisa. Líderar líderes é outra coisa completamente diferente. Só consegue isso quem realmente tem talento aliado a um profissionalismo irreparável. Na arte da política como em quase tudo na vida moderna de hoje não há espaço para amadores. Principalmente amadores que se intrometem no caminho de profissionais. Em Goiás estamos vendo a tentativa do secretário estadual da fazenda Jorcelino Braga em se contrapor políticamente ao senador Marconi Perillo, um grande líder político de Goiás e do Brasil, que consegue liderar outros grandes líderes da nossa terra e sem o poder da "caneta na mão". Isso é liderar. Isso é sucesso de verdade da vida pública. Braga tenta sair do submundo em que vive direto para os espaços mais nobres da política goiana. A vida não é assim. Braga não tem o direito de figurar entre os grande homens públicos de Goiás. Nem o direito de sonhar nessa situação ele tem. O secretário está tentanto atropelar a órdem natural das coisas. Braga teve a oportunidade de se aproximar dos políticos goianos em função de uma empresa de Factoring durante as campanhas eleitorais. Nesse período todos os políticos ficam desesperados para fazer dinheiro. Essas empresas compradores de recebíveis deitam e rolam nessa situação. Foi assim que Braga conquistou espaço e confiança de alguns políticos goianos. Um pitaco aqui, outro ali, e assim o homem que "ajudava" alguns políticos a irrigar seus caixas de campanha, surge mais que repentinamente como dono de algumas idéias para os programas eleitorais de alguns partidos. Pronto. Isso já bastou para que o hoje secretário fosse chamado de marketeiro. O resto da história todo mundo já sabe. O homem hoje é secretário estadual da fazenda. E no cargo, passou a patrocinar uma campanha de desconstrução da imagem do senador Marconi Perillo. Daí para ataques baixos foi um pulo. O que Braga nunca contou foi com o profissionalismo político de Marconi Perillo. Assustar uns "otários" devedores de empresinhas de factoring, qualquer um faz. Intimidar um animal político da estirpe de Marconi Perillo é missão impossível. Braga fez o que fez e hoje treme de medo do retorno negativo que isso tudo possa lhe dar. A estória, com E mesmo, do déficit mensal de R$ 100 milhões que Alcides Rodrigues teria herdado está fazendo o secretário ficar muito apertado de costura. A mentira está prestes a ser desmascarada. A CPI do déficit que o PSDB está propondo na Assembléia Legislativa está tirando o sono de Braga. Se a invenção do "marketeiro de cozinha" cair por terra, ele e todo o governo Alcides estarão completamente desmoralizados. Braga é amador em política, mas, disso ele sabe. A CPI do déficit tem tudo para deixá-lo mais destruído politicamente ainda. Sim, porque o episódio da filha de Braga praticando corrupção em nome do pai acabou com qualquer possibilidade de uma carreira política de sucesso. A CPI do déficit é um terror para Braga. Por isso há um extraordinário esforço do secretário para cooptar deputados no sentido de inviabilizar a instalação da CPI. Eu falo e nêgo duvida! No Brasil o único amador que deu certo foi o Aguiar do Bradesco. Com a CPI do déficit instalada, o hoje um pouquinho menos arrogante secretário Braga ficará na mesma situação que papagaio falador em casa de pobre: comendo na tábua. Por que tudo isso? Por puro amadorismo. Eu falo e nêgo duvida!