segunda-feira, 5 de abril de 2010

NEM TODO MUNDO NO PP É TRAÍRA

Caiu como uma bomba no palácio das esmeraldas a informação deste último final de semana que dava conta de uma articulação totalmente nova na política goiana. A articulação vem da coordenação do movimento que reuniu 31 prefeitos do PP goiano em um almoço com o senador Marconi Perillo semana passada em Brasília. Neste almoço os prefeitos do PP reclamaram das posições da cúpula pepista em Goiás e reafirmaram suas posições de não acatar tudo que o comando do partido está decidindo, sobretudo sobre as eleições 2010 no estado. Em primeiro lugar a pré-candidatura de Vanderlan/PR ao governo de Goiás não foi discutida com as bases. Vanderlan é tido por muitos prefeitos como arrogante e desarticulado. Vanderlan cultiva antipatia gratuita entre a maioria dos 48 prefeitos do PP no estado de Goiás. Um dos motivos dessa antipatia é a proximidade de Vanderlan com Sandro Mabel, tido e havido como o político goiano menos confiável. Em segundo lugar apoiar a pré-candidatura de Vanderlan/PR, no entendimento desses 31 prefeitos  do PP, significa trair de modo claro e explícito aquele que foi o grande cabo eleitoral deles todos que foi o senador Marconi Perillo. Essa traição não é aceita pela maioria dos prefeitos do PP. É verdade que Marconi Perillo ajudou quase todos os pepistas a conquistarem suas eleições no pleito passado. Para muita gente no interior de Goiás essa facada nas costas de Marconi que a cúpula do PP está dando é inaceitável. Valores como a gratidão e a lealdade são levados muito a sério pela maioria dos goianos inclusive os da política. É com base nestes valores que prefeitos do PP estão articulando aquilo que seria a maneira correta do PP reconhecer que tem por obrigação exercitar o bom caráter e caminhar no projeto do PSDB nas eleições de 2010. Está em andamento a articulação para que o deputado federal Roberto Balestra seja indicado pelo PP como vice na chapa encabeçada por Marconi Perillo. Os prefeitos enxergam na chapa Marconi/Balestra a maneira mais prática de derrotar o adversário em comum que é o PMDB. Roberto Balestra é depois do governador Alcides Rodrigues o nome mais respeitado do PP. Com seis mandatos de deputado federal, Roberto Balestra é o político do PP goiano de maior  respeitabilidade no congresso nacional. Balestra foi sempre defensor da manutenção da base que ganhou e deu sustentação a dois governos para Marconi Perillo e para o governo Alcides Rodrigues. Esses prefeitos tem força para encarar a truculência de Sergio Caiado presidente da legenda e que tem verdadeiro ódio por Marconi? O comando do PP tem força para enfrentar 31 prefeitos e suas lideranças dentro do partido? Existe manha e artimanha que podem ser feitas no sentido de frustrar o interesse desses 31 prefeitos dentro do partido? Seria inteligente forçar o partido a apoiar a candidatura Vanderlan sem a aprovação e engajamento das bases? Perguntas para serem respondidas pelas partes pepistas envolvidas neste verdadeiro jogo de xadrez exclusivo deles. Do episódio todo há uma certeza que deve ser destacada por quem está apenas observando o jogo: No PP de Goiás nem todo mundo é traíra! Ainda bem.