sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Governador apresenta proposta para acelerar ferrovia entre Goiânia e Brasília


Na ANTT, Governador defendeu prioridade para instalação de trem entre Goiânia e Brasília

Marconi quer definir logo qual é a contrapartida financeira de Goiás, União e DF

Governador e Secretária da Educação, Raquel Teixeira, apresentaram o projeto de OSs na Educação ao ministro Aloízio Mercadante


O governador Marconi Perillo propôs hoje ao presidente da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Jorge Bastos, em Brasília, prioridade absoluta para construção de um trem de passageiros ligando Goiânia a Brasília. A sugestão apresentada pelo governador, como forma de viabilizar a obra, é a elaboração de um projeto executivo que prevê a construção de forma modular.
Na primeira fase seria construída uma linha férrea ligando Goiânia a Brasília, exclusivamente para o transporte de passageiros. Numa segunda etapa seria instalado um ramal para Águas Lindas, integrações com o sistema de transporte urbano do Entorno de Brasília e, por último, a viabilização do transporte de cargas, com uma possível ligação da linha com a Ferrovia Norte-Sul e a Ferrovia de Integração Centro-Oeste (Fico).
O governador pediu urgência na elaboração do projeto executivo, que deverá apresentar as contrapartidas financeiras de Goiás, Distrito Federal e União. “É preciso deixar claro qual é o montante de recursos que caberá a cada um dos entes federativos”, argumentou Marconi.
Durante a reunião na ANTT, foi apresentado a ele o projeto de viabilidade econômico-financeiro da ferrovia. De acordo com os dados técnicos, o transporte somente de passageiros é hoje mais viável do que a combinação com transporte de cargas, porque exigiria um aporte de recursos mais em conta.
O estudo revelou também que o transporte de cargas só se viabilizaria se forem construídos ramais para ligá-la a outras ferrovias, como a Norte-Sul. A previsão é de que 90 milhões de passageiros ao ano utilizariam a ferrovia, cujo trajeto proposto seria: Goiânia, Anápolis, Águas Lindas, Brasília e Santo Antônio do Descoberto.  Caso seja incluído o transporte de cargas, o projeto de viabilidade técnica concluiu que serão necessárias Parcerias Público Privadas (PPPs).
A princípio seriam construídas estações em Goiânia, Anápolis, Águas Lindas, Brasília e Santo Antônio do Descoberto. O governador sugeriu na reunião a construção de pelo menos mais uma estação, entre Abadiânia e Alexânia, para aumentar a função social da ferrovia.
“Esse projeto é prioridade absoluta”, disse o governador ao presidente da ANTT, ressaltando que a elaboração do projeto executivo e sua consequente licitação vão permitir que a União, Goiás e o Distrito Federal saibam quanto devem investir na obra. O presidente da ANTT, Jorge Bastos, afirmou que será apresentado em breve ao governador o projeto técnico na modelagem proposta por Marconi, ou seja, a construção de uma obra por etapas.
Ainda na ANTT, cobrou solução para o problema dos acessos ao novo aeroporto de Goiânia, com a construção de mais um viaduto na BR-153. Ouviu do presidente da ANTT que as obras já foram licitadas e devem começar em breve. Marconi lembrou que corre-se o risco de se terminar a obra física do novo terminal sem que sejam concluídos os acessos.
OS na Educação – Antes da audiência na ANTT, o governador foi recebido pelo ministro da Educação, Aloizio Mercadante. Acompanhado da secretária estadual de Educação, Raquel Teixeira, apresentou ao ministro detalhes do modelo de gestão de escolas da rede estadual por Organizações Sociais (OSs). Na audiência, segundo relatou o governador, o ministro elogiou a iniciativa de implantação de um projeto inovador, que tem por objetivo melhorar a qualidade da Educação pública em Goiás.
Na saída da audiência, em entrevista à imprensa, Marconi explicou que o objetivo da reunião foi apresentar ao ministro detalhes do projeto a ser implantado, com garantia de preservação dos direitos dos professores e respeito à Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB). Segundo ele, Mercadante demonstrou curiosidade para conhecer o projeto e ainda comentou na reunião as experiências de OSs no Ministério de Ciência e Tecnologia, quando dirigiu a pasta. Marconi adiantou que a ideia é dar o pontapé inicial do sistema OS na Educação em janeiro de 2016.
Foto: Rodrigo Cabral