quarta-feira, 4 de maio de 2016

Ministério Público Federal aponta Lula como chefe do “Quadrilhão”

Ministério Público Federal aponta Lula como chefe do

Rodrigo Janot, da PGR, diz que Lula mantinha o controle das decisões mais relevantes no Petrolão

Foi dado o tiro de misericórdia! Agora é o MPF que mostra ao Brasil a verdadeira face de Luiz Inácio Lula da Silva, o líder supremo do Petrolão, maior escândalo da história política do Brasil e que agora virou “quadrilhão”.  A delação de Otávio Azevedo, ex-presidente da Andrade Gutierrez, fundamentou o pedido de Rodrigo Janot, da PGR,  para a inclusão de Ricardo Berzoini entre os investigados no chamado inquérito do “quadrilhão”. Segundo Azevedo, o percentual de 1% de propina sobre os contratos da AG com o governo surgiu pela primeira vez numa reunião com Berzoini em 2008. Então presidente do PT, Berzoini cobrou do empreiteiro propina retroativa sobre todas as obras da empresa desde o início do governo Lula, em 2003.
Depois de muita conversa, Azevedo se comprometeu a pagar apenas sobre “algumas obras em andamento” e “todas as futuras”. O dinheiro foi repassado por meio de doações oficiais.  Entre 2009 e 2014, a AG repassou um total de R$ 94 milhões em doações ao PT. O delator estima que R$ 40 milhões foram propina.
Antônio Palloci e Azevedo cobraram propina em nome de Dilma Rousseff
Em sua delação, Otávio Azevedo disse que Antônio Palocci e Giles Azevedo cobraram da Andrade Gutierrez ajuda financeira para quitar dívidas da primeira eleição de Dilma Rousseff, em 2010. O dinheiro foi pago diretamente à agência Pepper. Palocci também é citado ao lado de Erenice Guerra no esquema de propinas de Belo Monte. “Nessa obra, ficou acertado que a empresa pagaria, a título de propina, 1% dos valores recebidos, sendo 0,5% ao PT e 0,5% ao PMDB.” Na mesma delação o empreiteiro disse que Edinho Silva cobrou R$ 100 milhões para a campanha de reeleição de Dilma em 2014.
As palestras furadas de Lula
Em outro trecho de sua delação premiada, anexada ao pedido de investigação da PGR, o empreiteiro Otávio Azevedo confirmou que pagou a Lula um total de R$ 3 milhões em palestras no exterior. “O objetivo era aproximar a empresa de empresários destes países. Contudo, após esses eventos, não foram fechados negócios pela Andrade nestes locais.” Se as palestras não serviram ao objetivo, por que a empreiteira continuou pagando o palestrante?
PT cobrava 1% de propina de financiamentos liberados pelo BNDES
Em outra revelação estonteante, executivos da Andrade Gutierrez confirmaram na delação que o PT também cobrou 1% sobre os empréstimos concedidos pelo BNDES. Flávio Machado, por exemplo, citou um contrato obtido pela empreiteira na Venezuela com ajuda de Lula. A cobrança foi feita por João Vaccari. Em relação aos contratos de engenharia com a Petrobras a propina paga ao PT era de 2% do valor total, sendo que nos contratos na área de abastecimento e refino a propina era de 1% paga ao o PP e posteriormente ao PMDB.
Em sua petição, Rodrigo Janot também transcreve os diálogos de Lula interceptados pela Lava Jato e conclui que, mesmo afastado formalmente do governo, o ex-presidente manteve “o controle das decisões mais relevantes“. Ele cita, inclusive, as “articulações espúrias para influenciar o andamento da Operação Lava Jato“. Repetindo a frase de Janot que publicamos mais cedo:”Essa organização criminosa jamais poderia ter funcionado por tantos anos e de uma forma tão ampla e agressiva no âmbito do governo federal sem que o ex-presidente Lula dela participasse.”