segunda-feira, 18 de maio de 2015

Folha de São Paulo: Ronaldo Caiado põe o senado para pagar funcionário que administra 07 fazendas suas


O senador Goiano, Ronaldo Caiado (DEM), um dos mais duros críticos dos governos do PT e tido como paladino da moralidade está caindo em desgraça na política nacional. O jornal Folha de São Paulo traz nesta segunda-feira, 18/05, matéria que é uma verdadeira bomba na reputação de Caiado. Segundo o jornal o senador do DEM usa de forma ilegal estrutura do Senado Federal para beneficiar negócios particulares seus e de sua família. O jornal informa que Ronaldo Caiado usa funcionária do senado para cuidar de suas 07 fazendas em Goiás e de outras propriedades de seu irmão.
Confira na íntegra a matéria da Folha de São Paulo!
Pouco antes das 14 horas do dia 9 de abril, a servidora do Senado Meiry Rosa de Oliveira, nomeada pelo senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), cumpriu sua rotina de parar o carro no estacionamento privativo e abrir o cadeado do escritório localizado em uma casa na rua 26, em Goiânia (GO), onde trabalha.
Duas semanas depois, a Folha encontrou a assessora novamente no local.
O escritório político informado por Caiado à direção do Senado, porém, fica em outro endereço. Pelas regras da Casa, assessores dos senadores nos Estados devem trabalhar nos escritórios políticos indicados previamente ao Senado pelos congressistas.
O prédio em que Meiry atua é o escritório de apoio às fazendas de Caiado, também frequentado por seu irmão, Rondon, que, segundo a assessoria do senador, auxilia na administração das propriedades rurais da família. Caiado declara ter sete fazendas no interior de Goiás. Segundo Meiry, o escritório particular também é usado para cuidar dos negócios do senador do DEM. “Escritório financeiro dele, no geral. (…) Cuida de todas as finanças, de todos os pagamentos dele.” 
“Então, esse assunto, onde ela fica, isso é uma coisa muito relativa. Ela despacha comigo na minha casa, despacha comigo no escritório político, despacha comigo no escritório [em] que você viu meu irmão. Agora, falar que ela é fixa naquele local, isso não procede”, disse. Em entrevista à Folha, Caiado disse que o escritório das fazendas não é o local fixo de trabalho da assessora.
Caiado confirmou que o escritório frequentado por Meiry também cuida dos assuntos das fazendas. “Ali, eu e meu irmão, nós temos vários negócios de família, (…) assuntos que ficaram em comum”, disse o senador.
Caiado também informou que tem nove assessores morando em cidades do interior do Estado. Segundo o senador, eles encaminham relatórios de trabalho e periodicamente vão a Goiânia para participar de reuniões.
Funcionária irregular de Ronaldo Caiado
ESPALHADO
O gabinete dividiu o Estado em nove regiões, nas quais vive e trabalha cada um dos assessores. Em ofício ao Senado em março, Caiado informou que mantém apenas um escritório de apoio em Goiás, na rua 1.130, em Goiânia, a cerca de 2 km do escritório das fazendas.
Em 2009, após o escândalo dos atos secretos, o Senado procurou moralizar a situação dos assessores nos Estados. Em ato próprio, a Comissão Diretora estabeleceu que os senadores podem criar “escritórios de apoio” nos Estados, mas os endereços precisam ser comunicados por escrito.
O ato não prevê punições, no entanto deve ser obedecido por todos os gabinetes. Em caso de descumprimento, o Ministério Público pode ajuizar ações de improbidade e buscar ressarcimento aos cofres públicos.
Folha indagou ao Senado onde devem trabalhar assessores dos senadores nos Estados. A Casa respondeu: “O servidor deve prestar serviços nessa unidade ou, alternativamente, em outra, caso o senador tenha mais de uma unidade no Estado”.
Falando em tese, sem saber do caso concreto, três senadores disseram à reportagem que o Senado impede que assessores vivam e trabalhem em municípios que não contam com escritórios políticos previamente informados à Casa.
OUTRO LADO
O senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) negou que a assessora Meiry Oliveira e outros nove assessores que trabalham no interior de Goiás estejam em situação irregular.
Caiado disse que os assessores do interior costumam ir ao escritório político, em Goiânia, para reuniões periódicas. Os encontros não são semanais. “Não toda segunda-feira. Isso é impossível. Nós temos pessoas que estão a 400 km de distância, outros estão a 300 km de distância. Mas todos têm que prestar contas a esse escritório central”, disse o senador.
Meiry, segundo Caiado, “é ajudante de ordens. Como tal ela cumpre toda essa função e essa prerrogativa de poder acompanhar toda minha atuação lá dentro da Casa como também de prestar contas daquilo que eu tenho que prestar ao Senado Federal”.
Segundo a assessoria do parlamentar, o trabalho dos assessores no interior do Estado é “feito em consonância com o escritório político, onde eles se reúnem frequentemente”. Os assessores têm como tarefa “estabelecer contatos com lideranças urbanas e rurais dessas cidades, ouvindo demandas e necessidades das comunidades da região, levantando as áreas mais carentes para a destinação de emendas parlamentares”, assim como “coordenar visitas, junto com o escritório político do senador, às cidades representadas por cada um”.
A assessoria do senador apresentou à Folha a resposta a uma “consulta” ao Senado sobre o assunto. “Lendo atentamente o texto abaixo e baseado nas considerações contidas, podemos atestar que os procedimentos estabelecidos pelo ato que rege a matéria estão sendo cumpridos”, respondeu a Coordenação de Registros Parlamentares e Pessoal Comissionado.
Porém, a dúvida encaminhada pela assessoria à coordenação é diferente das dúvidas formuladas pela Folha. Segundo o texto da assessoria, “foi definido um escritório na capital do Estado, em Goiânia, que centraliza e coordena a atividade dos servidores que por sua vez visitam os municípios e viabilizam os interesses políticos do Senador em todo o território do Estado de Goiás”.
Conforme manifestações anteriores do próprio Caiado, o que ocorre é o contrário, os servidores moram no interior e periodicamente vão à capital goiana.