sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Marconi vai a Brasília tratar da obra da ferrovia Brasília/Goiânia, do VLT de Goiânia e do BRT do entorno do DF


O projeto de implantação do transporte ferroviário entre Brasília e Goiânia, que foi reivindicado pelo governador Marconi Perillo junto ao setor de transportes do Governo Federal há pelo menos dez anos, continua vencendo etapas no âmbito da Agência Nacional de Transportes Terrestres – ANTT. Na tarde desta quinta-feira, Marconi, o governador do DF, Rodrigo Rollemberg, e representantes do Ministério dos Transportes estiveram reunidos na sede da ANTT com o diretor geral Jorge Bastos para conhecer detalhes do Evetec – Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica – da Ferrovia Brasília/Goiânia.
Depois de quatro anos em execução, o Evetec apresenta os valores e a modelagem jurídica da obra. “Temos a confirmação de que o projeto será viabilizado através de uma PPP envolvendo os governos de Goiás, do Distrito Federal e da União”, adiantou o governador.
Na reunião de hoje, Marconi sugeriu à ANTT, em conjunto com o governador Rollemberg, que o transporte seja apenas de passageiros, sem cargas nas duas fases, ou seja, na parte semiurbana e regional. Sem o transporte de cargas, o projeto alcança valor de R$ 6,8 bilhões.
“O que a gente tem trabalhado – disse o governador – é a agilidade para que este projeto possa ficar de pé e ir para a fase de licitação o quanto antes. Ele vai revolucionar esse eixo Brasília/Goiânia. Eu não tenho dúvida de que este será um dos grandes projetos de integração definitiva, social, cultural e econômica entre os governos do DF e de Goiás”.
O governador fez questão de esclarecer que se o projeto contemplasse o transporte de cargas, a ferrovia seria encarecida em mais de R$ 2 bilhões somente para a construção da estrutura necessária. “A ferrovia servirá também para cargas, mas cargas menores. Neste trecho nós não vemos a necessidade de cargas como na Norte-Sul”, esclareceu.
Jorge Bastos anunciou que irá se reunir com os ministros do Planejamento e dos Transportes para definir qual vai ser a participação de cada ente no projeto de estudo de viabilidade econômica. “O prazo será o mais rápido possível. Nós conhecemos o governador Marconi Perillo e sabemos da sua agilidade. Então nós precisamos trabalhar isso com bastante empenho para que a licitação seja realizada o mais rápido possível”.
O trem Brasília/Goiânia esteve também na pauta do governador durante audiência que teve em seguida com o ministro Nelson Barbosa, do Planejamento. Marconi pediu ao ministro que o trem seja incluído no PAC e nos financiamentos federais para a área de transportes. Solicitou ainda que o mesmo tratamento seja dado ao VLT de Goiânia e ao BRT que liga Santa Maria, no DF, à cidade de Luziânia.
No fim da tarde, o governador esteve na Agência Nacional de Aviação Civil – Anac – para solicitar a liberação, para a operação, de alguns aeroportos do Estado. O governador citou o aeroporto de Catalão como exemplo de obra acabada e que necessita apenas de autorização da Anac para que possa começar a operar.
Marconi vai ao ministro da Defesa
Marconi com Aldo Rebelo
Durante reunião/almoço com o ministro da Defesa, Aldo Rebelo, na sede do Ministério, em Brasília, no início da tarde desta quinta-feira, o governador Marconi Perillo apresentou a proposta que busca viabilizar um Complexo Aeronáutico em Anápolis. A ideia é ter o apoio do Ministério da Aeronáutica para a viabilização de um Complexo Aeronáutico que pudesse complementar a Base Aérea de Anápolis. “Nós ainda não podemos adiantar o que seria este complexo aeronáutico, mas eu tenho a oferecer ao Governo Federal, um complexo que já está pronto, que é a Plataforma Logística e o aeroporto de cargas, que tem uma pista de 3.300 metros já pronta, construída pelo governo do Estado e que poderá servir como base para um projeto desta envergadura. Isso daria um upgrade muito grande para o nosso Estado e a cidade de Anápolis”, adiantou o governador.
O ministro manifestou-se favorável ao projeto. Aldo Rebelo comentou em entrevista coletiva à imprensa que “a recepção à proposta do governador Marconi Perillo é a melhor possível, porque Anápolis tem uma múltipla vocação pela sua localização geodésica, ou seja, é uma cidade que tem um polo farmacêutico importante e que já dispõe da Base Aérea”.
Disse que a proposta será analisada pelo Ministério da Defesa e pelo comando da aeronáutica, dentro da vocação natural que Anápolis já tem para acolher centros de logística. “Vou defender esta ideia com toda a simpatia que tenho pela administração do governador Marconi Perillo, pela trajetória que ele tem como homem público, pelo respeito e pela nossa já longa amizade”, salientou.
Fonte: Goiás247