domingo, 22 de dezembro de 2013

Líder do PPS insinua que filial de empresa de Dirceu no Panamá pode estar sustentando o mensalão até hoje


Rubens Bueno
O líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR), defendeu uma ampla investigação sobre a denúncia, feita pelo “Estado de S.Paulo”, de que o ex-ministro José Dirceu, preso porque foi condenado no processo do mensalão, abriu uma filial de sua consultoria no Panamá. De acordo com o jornal, a consultoria do ex-ministro (JD Assessoria e Consultoria) registrou uma filial no país em 2008, no mesmo endereço onde funciona a Truston, empresa dono do hotel Saint Peter, o mesmo que ofereceu emprego de R$ 20 mil a Dirceu. Em nota divulgada pela assessoria, o líder afirma que as novas informações mostram que Dirceu operou de “todas as formas e ainda pode estar operando para sustentar ” o esquema do mensalão”.
Para o líder, ainda há muito o que investigar tanto pelo Ministério Público, quanto pela Polícia Federal, Receita Federal e Banco Central e que episódios conexos ao mensalão poderão surgir destas investigações:
“As novas informações divulgadas sobre este condenado do mensalão deixam latente que ele operou de todas as formas e que ainda pode estar operando para sustentar aquele que é o maior escândalo desta República. É preciso conhecer até onde se estendem estes tentáculos. Percebe-se que a cada dia surge uma nova descoberta daquilo que seria um grande ‘laranjal’ arquitetado em torno do mensalão. Isto é gravíssimo, o que exige das instituições como Ministério Público, Polícia Federal, Receita Federal e Banco Central que se faça ampla investigação”, disse na nota Rubens Bueno”, escreveu.