quarta-feira, 11 de março de 2015

Loja é suspeita de usar nomes de clientes para denunciar falsos roubos



loja
Uma loja de telefonia é suspeita de usar nomes de clientes para denunciar falsos furtos e roubos de celulares para receber vantagens da operadora para qual presta serviços, em Anápolis, a 55 km de Goiânia. De acordo com o delegado Daniel Nunes,responsável pelo caso, o estabelecimento usava os números dos boletins de ocorrência para receber novos aparelhos.
“A gente tem acompanhado diariamente as estatísticas criminais e percebemos um aumento muito grande de roubos e furtos de celulares registrados no nosso ambiente virtual de ocorrências. E os históricos dos casos eram sempre repetitivos, massantes, com duas ou três linhas, contando um crime de roubo ou furto”, explicou o delegado.
Uma investigação mostrou que muitos nomes de clientes do estabelecimento estavam entre as queixas e os policiais descobriram que era a loja quem estava registrando as ocorrências. Cinco vítimas, que constavam nas denúncias, foram ouvidas e negaram ter sido vítimas de roubos, furtos ou perda de aparelho.
Segundo o delegado, no ano passado, mais de mil ocorrências com as mesmas características foram registradas no site da Polícia Civil. Com isso, uma vistoria foi realizada no estabelecimento na terça-feira (10) e os policiais apreenderam computadores e documentos. O objetivo é comprovar se os acessos ao sistema dapolícia foram feitos a partir das máquinas.
“Vamos encaminhar esses equipamentos ao Instituto de Criminalística para aferir e comprovar se esses computadores eram usados para os registros das ocorrências e, com isso, teremos a materialidade de que o crime de estelionato era cometido na loja”, ressaltou o delegado.
O dono do estabelecimento e os funcionários ainda serão ouvidos pela polícia. Eles poderão responder pelos crimes de estelionato e falsa comunicação de crime.
Procurado, o advogado que representa a loja, Júlio César Inácio, disse que vai aguardar o término das investigações para se pronunciar sobre o caso.
Fonte: G1 Goiás